terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

O INÍCIO DA DESCOBERTA.

BOA TARDE.

Chamo-me Hiago, já não é nenhuma novidade que Garoto de Programa crie um blog e comece a dar detalhes de sua rotina não é?  Hoje eu vim aqui retratar um pouco mais de minha vida. Acho que errei muito ao criar um site que eu tive, pois comecei errado do início até o fim onde coloquei um ponto final e um adeus como despedida.

Minha história de vida é grande, daria um livro, e resolvi revelar segredos bem mais detalhados do que um simples texto de um dia inteiro de sexo, resolvi falar sobre a vida de um garoto simples do interior de São Paulo, que após o falecimento da mãe e com o relacionamento conturbado com o pai, resolve sair de casa e tentar a sorte em outro lugar onde se torna um Garoto de Programa por necessidade, conhecido por alguns e odiado por muito.

A princípio minha vida começa no interior do Rio, um lugarzinho simples, de classe baixa, mas com pessoas queridas, nasci e cresci neste lugar, bom, pelo menos até os quatro anos de idade passei morando ali eu minha mãe, meu pai e minha irmã. Minha vida desde quando era criança já tinha uma certa putaria no meio, mesmo não sabendo o que era isso ao certo, já imaginava certas situações e tinha algumas vontades,  eu não tinha nem 6 anos quando já ficava espiando do quintal o vizinho tomando banho com a porta aberta, e mesmo com uma certa inocência, cheio de vontade de ir lá e ver seu membro que até então não sabia que se chamava pênis. Sempre vinham umas lembranças na minha mente, lembranças do tipo eu beijando a boca dele comigo em seu colo, eu não sei ao certo se é sonho ou realidade, pois na época eu era pequeno e ele bem mais velho que eu, maior de idade talvez.

 Uma coisa é certa, minha sexualidade é definida desde quando pequeno, não sei se fui abusado, ou se vivi em meio à putaria, só sei que agora já na fase adulta com 24 anos, me recordo de coisas que uma criança não teria a menor ideia do que seja a não ser que tenha sido praticado ou visto por ela, mas sempre tive isso na minha cabeça, de que seria com homem que eu ficaria e me relacionaria.

Outra coisa impossível esquecer é de quando morávamos no interior do Rio, e minha tia havia me dado dinheiro, eu inocente fui até uma casa onde vendia doces e pedi o que queria, do lado de fora tinha um rapaz esperando o que tinha pedido, mesmo sem olhar para mim, não parava de encara-lo, admirado e esperando que me visse ali do seu lado, não sei bem o que se passou na minha cabeça, só sei que coisa boa não foi, tanto que voltei pra casa e logo em seguida disse que iria sair novamente, foi ai que minha tia me disse que não, era para eu ficar em casa e guardar o dinheiro. Minha intenção era de encontrar ele novamente, ver aquele cara parado, em uma rua onde estava escura e já de noite.

Bom, eu acho que posso dizer que sou gay desde nascença mesmo, mas com certeza alguma coisa aconteceu para esse meu lado ter aflorado dessa forma.
Leia Mais ►