16 outubro 2013

CLICK...



Eu nunca havia tido contato com pessoas especiais portadoras da Síndrome de Down. Sempre soube que eram pessoas especiais, mas não sabia que, além disso, são pessoas carinhosas. Estava sentado no ponto de ônibus esperando minha condução para ir até a casa de um amigo. Do meu lado, se senta João Gabriel, um garoto de 4 anos de idade que é especial. Eu estava sério sentado, estressado por esperar tanto tempo pelo transporte. Mas minha fúria foi se acalmando quando João se senta junto de mim, pega meu braço e coloca em volta dele, querendo que eu o abraçasse. Foi um choque aquela situação, pois eu imaginava essas crianças especiais de outra forma, e não assim, tão amorosas e sendo espontâneas. Ficamos ali, sentados comigo abraçado a ele, como dois amigos. Ele estava acompanhado por uma responsável, acho que era avó que estava o levando a uma festa com crianças especiais. Que abraço gostoso! Era a demonstração de carinho que estava precisando. Gosto das minhas sobrinhas e sinto um carinho enorme por elas, mas juro, o abraço do João foi muito especial, bem mais gostoso do que o abraço das minhas sobrinhas.

Certas coisas acontecem para nos fazer lembrar de que, tudo poderia estar pior. Nada pra gente está bom, tudo temos que arrumar um motivo para reclamar da vida e de tudo que acontece, sendo que existem pessoas em situação pior que a nossa. 

 

05 outubro 2013

OI, GENTE!



Minha ausência esses dias, foi por eu ter ficado doente. Acabei comendo algo na rua que me deixou mal por dois dias. Muitos levaram a sério o que estava acontecendo comigo, mas outros acharam que uma boa surra de pica resolveria o meu problema. Coisa que eu detesto, é quando estou dizendo a verdade e aparecem pessoas distorcendo o que eu digo, como agora, pessoas a fim de vir me ver na intenção de sexo, sabendo que estou doente. Isso me “emputece!”. O Tchelo acabou vindo ficar comigo. Eu estava sem comer, ele me trouxe algo menos pesado e soro pra me hidratar.

Há muito tempo, quando dormia na casa de um carinha que eu ficava, nós sempre dormíamos com o rádio ligado ouvindo músicas. Eu achava aquilo tão gostoso, que acabou me despertando a vontade de fazer isso com alguém que eu tenha sentimentos, carinho de verdade. Parece pouco, mas são coisas assim que me fazem feliz e me deixa naquele clima de apaixonado. Parece bobo, mas é tão romântico. Enquanto ele estava aqui comigo, ele (sem eu pedir) foi selecionando músicas “deprimentes” (tristes, românticas) e as deixou tocando, enquanto eu viajava deitado em seu peito. Era o programa que eu esperava fazer com uma pessoa que eu gosto muito, mas como eu sei que ele é bem ignorante, não daria certo. Acabou saindo melhor do que imaginava, nós dois aqui, com ele cuidando de mim (na verdade tentou me matar, me fazendo comer salada). Foi perfeito, ajudou bastante pra que eu ficasse melhor. Eu tentei ir ao médico, mas nem perdi tempo em me consultar em Resende, pois sei que não seria bem atendido. Ia à Volta Redonda, mas minha coragem e corpo mole me fez ficar deitado o dia todo.

Acordei bem disposto, muito melhor e feliz pra caralho!

Bom dia, gente. Tô de volta!

Anterior Proxima Página inicial